Política, Sociedade, Educação, Búzios, meio ambiente, Região dos Lagos

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

http://ipbuzios.blogs.sapo.pt

Espaço de discussão dos acontecimentos políticos de Armação dos Búzios



Segunda-feira, 14.02.11

Uma aula magna de política

A sessão da câmara de vereadores da manhã de quinta-feira foi uma aula de política. Nunca antes na história da cidade de Armação dos Búzios vi uma sessão legislativa, desde que frequento a casa (2001), em que fosse revelado, pelos vereadores mesmos, de modo tão claro, o modus operandi dos  agentes políticos da cidade (prefeito, secretários e vereadores). 

A aula, como não poderia deixar de ser, começou pelo professor  vereador Messias. Ele nos ensinou que a gente não deve ser cúmplice dos maus feitos dos governos. Para ilustrar sua afirmativa citou o caso do vereador Evandro. Este teria sido cúmplice das coisas erradas feitas no governo Toninho Branco, por ter protocolado um pedido de CPI justamente para que não houvesse a CPI. Aí a aula ficou complicada. Ainda bem que mais na frente ele esclareceu. Como bom professor, rememorou o caso. Disse que se tratava da Locanty, a empresa que cuidava do lixo no governo Toninho. O vereador Evandro teria feito uma manobra muito esperta baseada em uma resolução da câmara que garantia o direito de protocolo por toda a legislatura (4 anos) ao vereador autor do requerimento. Era fazer o pedido e sentar em cima. Com o pedido protocolado, nenhum outro vereador poderia pedir a mesma CPI. Assim, a empresa estava salva, mesmo que tivesse cometido as maiores barbaridades com nosso dinheiro. No final, não entendi porque o vereador Messias, depois de tudo que ensinou, ter votado contra o requerimento do vereador Nobre que só pedia cópia dos processos licitatório e de pagamentos da coleta do lixo no governo atual. Ué, este governo também tem seus maus feitos? E também no lixo, como o outro? O vereador professor Messias está querendo esconder algo?     

Na aula seguinte, o professor vereador Evandro preferiu abordar outro assunto. Acho que ele não gostou do tema abordado pelo professor vereador Messias. O professor vereador Evandro nos ensinou que o programa Projovem do governo atual está cheio de irregularidades, citando inclusive um determinado blog, que denunciou um possível esquema de desvio de recursos públicos pelo Ministério do Trabalho, comandado pelo PDT.

Na terceira aula, o professor vereador Genilson nos ensinou que a gente não deve ser incoerente. Deu como exemplo o vereador Messias. Disse que ele vive falando que o ex-prefeito Toninho Branco cometeu uma série de irregularidades com as finanças públicas, chegando a afirmar que houve até roubo no governo dele e, mesmo assim, aprovou suas contas de 2008.  Ficamos sem saber qual o motivo? A justificativa do vereador Messias de que votou a favor porque percebeu que a política em Búzios estava sendo judicializada, não convenceu ninguém na sala de aula. Como também não convenceu, anteriormente, quando disse que votou na Lei 17 (a lei dos pombais) sem ler, por confiar no companheiro de bancada, vereador Alexandre Martins. Não havia também cumplicidade, interesses outros, na aprovação da referida Lei?

A quarta aula foi de uma professora, a vereadora Joice. Ela disse que votaria a favor do requerimento do vereador Nobre porque quer saber o que está sendo roubado neste governo. Acrescentou que foi por isso que saiu da base de sustentação do governo. Tem roubo neste governo? Só falta saber quem está roubando?

Já o professor vereador Leandro nos ensinou que a política em Búzios é feita de ameaças. Como achava desnecessária a apresentação do requerimento do vereador Nobre, disse que, na próxima sessão, apresentaria um requerimento para que a Secretaria de Ação Social lhe informasse quantas pessoas faleceram de 2005 a 2010, discriminando quantas eram gordas e quantas eram magras. Lembra O gordo e o Magro, mas não ria não, porque se trata de tragédia mesmo. Trata-se de mortos e da política buziana.   

O professor vereador Felipe Lopes ensinou que a melhor coisa em política é não fazer assistencialismo e não ser patrocinado por ninguém. Coisas bastante discutíveis. Faltou falar de oportunismo, outro grande mal da política. Talvez o professor vereador aborde o assunto em uma próxima aula. Negou com veemência a acusação feita pelo vereador Evandro de que se elegeu usando a máquina da saúde do governo Toninho. Disse que Toninho só deixava os vereadores da sua base usar a máquina, o que foi confirmado pelo vereador Nobre.  Ao ouvir o vereador Genilson dizer que pediria também os contratos de limpeza de praia, aplicou o ensinamento do professor vereador Leandro ameaçando pedir os contratos de informática do governo passado. 

Conclusão de um aluno aplicado: qual a relação do vereador Felipe com a limpeza de praia? qual a relação do vereador Genilson com a informática no governo Toninho? O que aconteceu com o vereador Nobre e os mortos no governo Toninho? Não é ilegal vereador ter contrato com a prefeitura? 
Como costuma dizer o professor Chicão em seu blog (http://josefranciscoartigos.blogspot.com/) isso tudo é de uma meiguice só. 

342         

Autoria e outros dados (tags, etc)

por ipbuzios às 02:50



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728